Dando a mim o que preciso

        Você consegue reconhecer as suas necessidades? O que você precisa em um determinado momento ou situação?

        Tem momentos na vida que estamos cansados, sem ânimo e com várias emoções atuando, o que torna difícil saber o que queremos ou o que precisamos naquele momento. Falamos com um amigo ou alguém da família e por vezes não nos sentimos entendidos, ou não nos dão o que imaginávamos receber, e isto pode gerar uma sensação de invalidação, ou seja, sentimos que o outro não reconhece como válido aquilo que estamos falando, sentindo ou fazendo.

        Reconhecer aquilo que estamos sentindo e quais são as necessidades a ser atendidas no momento pode ser bastante útil. Vejamos, se conseguimos nos conectar com aquilo que necessitamos, temos a possibilidade de estar mais próximos do que desejamos, pois quando temos clareza fica muito mais fácil ser assertivo.

        E se aquilo que necessitamos tem a ver com outra(s) pessoa(s), o que se faz?  Como seria se, quando identificássemos o que precisamos, comunicássemos a(os) outro(s)?

        Reconhecer o que precisamos passa por dizer não a alguém ou uma situação, e em outros momentos diz respeito a fazer um pedido, ou ainda a se posicionar sobre um assunto. Pronto! Agora que já sei o que quero é só ir lá e falar! Não tão simples assim né? Às vezes sabemos o que precisamos, identificamos o que poderia nos deixar melhor, mas só de pensar em fazer isto, várias emoções vem à tona e interferem, dificultando que coloquemos nosso plano em ação. Neste momento, nossa mente fala mais alto e fica criando interpretações e julgamentos, “o que os outros vão pensar se disser isto?”,  “certo que vou incomodar!”, “que vergoooonhaaa!” E então, desistimos de falar e ficamos distante daquilo que necessitamos ou…. podemos notar os julgamentos da mente, as emoções interferindo, não se render ao impulso delas e ir em busca daquilo que discriminamos como importante para aquele momento.

       É importante lembrar que nem sempre os outros podem nos dar o que carecemos, mas só saberemos disso através da expressão do que precisamos. E outra nota que merece atenção, é recordar que também podemos nos presentear a partir da tomada de consciência das nossas próprias demandas.

       Você tem se permitido dar a você mesmo ou pedir aquilo que deseja?

 

       

 

Compartilhe

Sobre o Autor
Rafaela Teló Klaus
Rafaela Teló Klaus
CRP 07/13.491 Psicóloga pela PUC-RS. Mestranda em psicologia na UFCSPA. Especialização em Terapias Comportamentais Contextuais CEFI/CIPCO. Formação em Terapia Comportamental Dialética (DBT). Treinamento em Terapia Comportamental Integrativa de Casal (IBCT). Especialista em Terapia de Casal e Família pelo CEFI. MBA em Gestão Empresarial pela FGV. Psicoterapeuta individual, casal e família. Co... ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *