Coaching Telefônico e Vínculo com o Terapeuta

A presença de altas taxas de suicídio no mundo é alarmante, tornando-se um problema de saúde pública, necessitando a instalação cada vez maior de terapêutica adequada para o seguimento destes pacientes, muitas vezes portadores de Transtorno de Personalidade Borderline, doença mental grave e de difícil manejo. Estes pacientes necessitam de suporte mais intensificado, podendo contar com o terapeuta e acessá-lo em períodos de crise para estabilização do quadro, diminuição da desregulação emocional, melhora e aumento dos períodos entre as crises, proporcionando ao paciente melhor manejo de suas emoções e maior adesão ao tratamento.

A intervenção por telefone denominada Coaching Telefônico, um dos pilares da Terapia Comportamental Dialética, inclui a checagem do humor do paciente, ambiente seguro, barreiras para continuar o tratamento e trabalha para aumentar a motivação e diminuir a resistência ao tratamento. Um longo e mais intensivo tratamento é necessário para aliviar o padrão de condutas-problema, necessitando assim do grupo de treinamento de habilidades aliado ao Coaching Telefônico para redução dos comportamentos de risco, melhorando a sobrevida destes pacientes.

Pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline apresentam com frequência condutas autolesivas e suicidas. O suporte de crises nestes pacientes de forma breve e o acesso sem limite de horário ao terapeuta antes da conduta problema, promovem maior controle dos episódios de desregulação emocional, proporcionando que o paciente faça uso das habilidades aprendidas no treinamento e generalize estas para sua vida, aumentando a qualidade desta.

O Coaching Telefônico é uma ferramenta de grande importância na administração de crises em períodos em que o paciente apresenta desregulação emocional, diminuindo, ao lado de outras estratégias em DBT, o número de admissões a serviços de saúde mental e internações psiquiátricas. Também auxilia na melhora do manejo das crises por parte dos pacientes, diminuindo assim, condutas como automutilação e comportamento suicida.

Prestar esse suporte telefônico ao acompanhar pacientes com comportamento autolesivo e suicida além de melhorar a administração das crises e reduzir o número de hospitalizações, também auxilia na adesão ao tratamento, aumentando o vínculo com o terapeuta. Desta forma, o terapeuta passa a fazer parte da rede de suporte ao paciente, diminuindo períodos de desestabilização e desregulação emocional, ensinando ao paciente novas habilidades para manejar seus sintomas e para diminuir o sofrimento psíquico.

Num estudo realizado em 2017 (Landes et al), constatou-se que dos serviços que ofereciam Coaching Telefônico, somente 11% realmente o faziam. Uma das barreiras em serviços de atendimento telefônico de suporte a pacientes com condutas autolesivas e suicidas é a implementação de consultoria por telefone fora do período útil de trabalho. O acesso ao terapeuta que se encontra disponível nas 24 horas para suporte de crises nos pacientes com desregulação emocional possibilita maior adesão ao tratamento, maior comprometimento deste paciente e estabilização mais duradoura dos sintomas de risco, entre elas, condutas de automutilação e comportamento suicida.

A quarta modalidade de tratamento da DBT (1. psicoterapia individual, 2. grupo de treinamento de habilidades, 3. reunião/supervisão da equipe, 4. Coaching Telefônico ), possibilita que os terapeutas DBT identifiquem e observem seus próprios limites pessoais para o Coaching. Estabelecer estes limites e regras promove aprendizados importantes para o paciente que, muitas vezes, apresenta dificuldade de estabelecer e respeitar limites nas suas relações, podendo generalizar este aprendizado para outras relações, a partir dos limites e regras do Coaching Telefônico, como acessar o terapeuta antes da conduta problema.

A possibilidade do paciente com desregulação emocional poder contar com o suporte do terapeuta em momentos de crise e desestabilização faz-se de grande importância na construção e solidificação do vínculo terapêutico, promovendo maior adesão ao tratamento,

Compartilhe

Sobre o Autor
Cláudia da Rosa Muñoz
CRM 30457 Médica graduada pela UfPel, psiquiatra pela Fundação Universitária Mário Martins, Título de Especialista em Psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria, Curso de Aperfeiçoamento em Terapia Comportamental Dialética pelo CEFI/CIPCO e de Especialização em Terapias Comportamentais Contextuais na mesma instituição. Participou de treinamento intensivo em Terapias Contextuais real... ver mais

2 comentários em “Coaching Telefônico e Vínculo com o Terapeuta”

    1. Oi, Magda! Obrigada pelo contato! Podes contatar a instituição CEFI para agendar horário com os psiquiatras que trabalham lá.
      Número do CEFI: 51 99420-7006

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.