Paz, Amor e Empatia

Há 24 anos, Kurt Cobain terminava sua carta de despedida da vida com as palavras que intitulam este texto, a carta era destinada a seu amigo imaginário de infância chamado Boddah. Kurt cometeu suicídio aos 27 anos, tinha uma esposa, tinha uma filha de quase 2 anos, tinha uma banda que revolucionou o cenário musical na década de 90 e permanece revolucionando a música com um estilo que somente ele tinha, tem. A história de Kurt foi também marcada pela dependência de substâncias, humor instável e por canções autobiográficas de sua dificuldade com seus sintomas depressivos, com suas características de personalidade agravados pela adição.
Há 6 meses, Frances Cobain terminava uma postagem em uma rede social com as mesmas palavras usadas pelo pai em 1994. Na mensagem, Frances comemorava o aniversário de 2 anos de abstinência de substâncias e alertava de forma consistente e verossímil para um grave problema de saúde pública que é o suicídio, além disso, e corroborando com a importância de se falar sobre este tema e intensificar cada vez mais campanhas de prevenção, Frances relatou de forma sensível e precisa outra grave problemática, a psicofobia: “O fato de estar sóbria não é realmente para o conhecimento público, mas acho que é mais importante deixar de lado meu medo de ser julgada, mal interpretada ou tipificada como uma coisa. Eu quero ter a capacidade de reconhecer e observar que minha jornada pode ser informativa, até útil para outras pessoas que estão passando por algo similar ou diferente. É uma batalha diária, dolorosa, desconfortável e trágica sobre coisas que já aconteceram ou acontecerão. A autodestruição, o consumo tóxico e a libertação da dor são muito mais fáceis de aderir. Unicamente, para mim e para aqueles que estão à minha volta, escolher estar presente é a melhor decisão que já fiz. Como tratamos nossos corpos está diretamente correlacionado com a forma que tratamos as nossas almas. Está tudo interligado. Tem que ser.”
Frances nos enriquece ao relatar a importância do autoconhecimento, da capacidade de se reconhecer, de estar presente e de tolerar o mal estar, escolher viver uma vida que tenha mais qualidade, diminuindo assim condutas de risco, princípios amplamente difundidos pelas Terapias Contextuais.


Estima-se que 800 mil pessoas morram por suicídio anualmente, uma a cada 40 segundos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, somente 28 países possuem estratégia nacional de combate ao suicídio. No Brasil em 2012, 11 mil e 800 pessoas cometeram suicídio por negligência ou ignorância de próximos a um tratamento adequado.
Há 3 meses do Setembro Amarelo, tivemos 2 suicídios por enforcamento com 3 dias de intervalo um do outro, a estilista Kate Spade aos 55 anos e o chef Anthony Bordain aos 61 anos. A associação alarmante de dependência química com suicídio alerta para um fator de risco direto e grave.
Frances Cobain de 25 anos ressignifica a expressão criada pelo pai Kurt Cobain falecido aos 27 anos, 24 anos após seu suicídio, como uma frase impactante, emocional e única de apelo à maior sensibilidade com os transtornos mentais, de um olhar mais terno e preocupado, de mais paz, amor e empatia com o outro.

#PSICOFOBIA É CRIME
#PSICOFOBIA MATA
#PREVINA O SUICÍDIO
#TERAPIAS CONTEXTUAIS

 

Compartilhe

Sobre o Autor
Cláudia da Rosa Muñoz
CRM 30457 Médica graduada pela UfPel, psiquiatra pela Fundação Universitária Mário Martins, Título de Especialista em Psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria, Curso de Aperfeiçoamento em Terapia Comportamental Dialética pelo CEFI/CIPCO e de Especialização em Terapias Comportamentais Contextuais na mesma instituição. Participou de treinamento intensivo em Terapias Contextuais real... ver mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.