O que fazer após um suicídio

A morte por suicídio impacta em vários tipos de relacionamentos, como familiares próximos, amigos, vizinhos, colegas, pacientes, etc. A abordagem para atender e cuidar de quem foi impactado pela morte ou tentativa de suicídio se chama Posvenção.

O acompanhamento em posvenção ajuda, entre muitas coisas, a resolver as crises e desafios após um suicídio ou tentativa de suicídio, sendo essencial para reestabelecer o funcionamiento das pessoas que foram impactadas. O acompanhamento pode variar desde situações jurídicas e econômicas até situações de não saber como comunicar a notícia a familiares, amigos próximos, além de se adaptar a um contexto em que seu ente querido faleceu ou teve um comportamento tão difícil ou assustador.

 

Algumas metas para o trabalho de posvenção são:

 Aumentar o suporte social:

Identificar uma rede de apoio validante que possa acompanhar no processo de recuperação ao impacto do suicídio do ente querido. No caso em que a pessoa não conta com uma rede de apoio, você pode encaminhar para algum grupo de acolhimento de luto ou sobreviventes por suicidio, conectar com outras pessoas que perderam alguém por suicídio ou oferecer informação sobre suicidio, luto ouatividades que possam ajudar para se adaptar à perda.

 

Diminuir a estigmatização

Incentivar a família a romper o silêncio que rodeia a morte por suicídio, sugerindo falar sobre seu ente querido em conversas com outros, especialmente entre as pessoas mas próximas.

Gerar um espaço de aceitação, calidez, validação e respeito para que as pessoas possam expressar abertamente como se sentem. Ajudar a rede de apoio a normalizar as reações de luto, respeitando as diferentes reações e ritmos à vivência de cada um dos membros.

 

Identificação de necessidades

É importante avaliar o impacto do suicídio em diferentes áreas de funcionamento assim como as necessidades da pessoa em diversas áreas. Algumas necessidades comuns podem ser a normalização de sintomas, ressignificação da experiência de perda, solução de problemas, melhorar a qualidade de vida.

 

Oferecer informação

Outro ponto importante é proporcionar e incentivar a psicoeducação sobre o suicídio, luto, fatores associados e sua funcionalidade na adaptação a novos contextos. Oferecer informação para ajudar a família a conhecer as atividades que ajudaram outros enlutados, como artes, escrita, grupos de apoio, participação em associações civis, etc. é fundamental na recuperação do impacto.

 

Sugerir intervenção

    Informar sobre quais são os caminhos para auxílio às diversas necessidades após a morte de um ente querido por suicídio. Em alguns casos há a necessidade de apoio psicológico, farmacológico etc. Em outros casos é importante a integração de tratamentos para prevenção de luto complicado, depressão ou Transtorno por Estresse Pós-traumático (TEPT), e em outros casos, realizar acompanhamento psicológico para os enlutados e seus familiares, sendo essencial oferecer propostas de intervenção ou acompanhamento em função das necessidades observadas.

Pessoas que conseguem trabalhar explicitamente o impacto do suicidio tem maiores posibilidades de restablecer seu funcionamiento e continuar com sua vida mantendo uma boa qualidade de vida. Pelo que s e você foi impactado pela morte por suicídio de um ser querido CEFI CORA, é um espaço com profissionais expertos em luto e perdas, que podem te ajudar a trabalhar com teu luto e conseguir continuar com tua vida sem que tau dor seja um obstáculo.

Se você ou algum familiar está tendo ideação suicida ou risco de suicídio CEFI VIDA é um espaço com professionais especialistas no manejo do risco de suicídio que podem te ajudar neste momento tão difícil.

Agende agora seu atendimento:

051 33461525 ou 051 994207006 (apenas WhatsApp)

Porto Alegre

Rua Carlos Trein Filho 34

Bairro Auxiliadora, Porto Alegre/RS

CEP 90450-120

Compartilhe

Sobre o Autor
José Ignacio Cruz Gaitán
Psicólogo. Mestre em Psicoterapia. Membro dos Núcleos VIDA, CORA e CONTEXTUS no CEFI. Formado em Terapia dialéctica Conductual pelo Behavioral Tech e com múltiples treinamentos em Terapia de Aceitação e Compromiso, Terapia Analítico-Funcional e diversas terapias Contextuais. Coordinador do Núcleo Vida para a atenção ao risco de Suicidio e Coordinador da especialização em Terapias Comportamentai... ver mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.