O Julgamento

Quando comecei a estudar as terapias comportamentais contextuais e mindfulness, logo de cara me deparei com um desafio: como adotar uma postura não julgadora? Kabat Zinn, um dos principais precursores dos estudos em mindfulness descreveu esta habilidade como prestar atenção de propósito e sem julgamento. Não só ele, mas tantos outros autores associam o não julgamento à abertura e aceitação, processo bastante explorado na ciência comportamental contextual.

Eu, como tenho um lado que gosta de seguir regras e queria fazer “bem feito”, caí na armadilha de avaliar como errado quando eu, em minhas práticas diárias de mindfulness ou no meu dia-a-dia, me percebia julgando algo que acontecia. Minha sensação era de incapacidade, de que este exercício não era possível de ser feito por mim. Afinal, eu estava cada vez mais atenta e consciente dos julgamentos que eu fazia. Mesmo sabendo que é impossível não julgar, que julgamentos são pensamentos como outros quaisquer, e que ao julgar eu poderia experimentar não me julgar por estar fazendo isso, eu o fazia (e ainda faço, admito) sem perceber que, afinal de contas, o “bem feito” que buscava era apenas mais um julgamento nessa história.     

Entender racionalmente os processos psicológicos e o que controla o comportamento humano me ajuda reconhecer minha própria experiência. E um ponto que me auxilia a compreender estes julgamentos dos quais não posso me livrar é lembrar que  nossas interpretações sobre os eventos (e aqui me refiro a eventos como qualquer coisa que possamos perceber) são parte importante da nossa resposta emocional. A resposta emocional é uma reação complexa que tem base bioquímica, genética, que tem história, que foi aprendida, que pertence a uma cultura e que um dia, ao menos, foi necessária e funcional. Os julgamentos entram aí como uma espécie de “código” que rapidamente prepara nosso corpo para ação. Muitas vezes, porém, nos “colamos” a estes julgamentos e os confundimos com a realidade, enquanto são apenas uma parte da experiência. Não fazemos isso por mal, tão pouco por termos alguma falha. Isso mesmo, a interpretação, que vem carregada de julgamentos, é parte da nossa interação com mundo, uma experiência natural da espécie humana que não cabe a nós controlar. 

Mas, eu sei que, para muitos, reconhecer que não se tem o controle sobre o que surge na mente ou sobre quais pensamentos serão pensados é uma notícia frustrante. Ao assumir que pensamos, reconhecendo que nossos julgamentos e interpretações não são os fatos em si, nos tornamos capazes de observar com mais clareza os elementos que compõem nossa experiência. Distinguindo nossos julgamentos da realidade como ela é, limpamos a situação de parte da carga emocional envolvida. Descrever os fatos sem, necessariamente, se apegar aos rótulos e significados que  damos a eles, funciona como uma estratégia de autorregulação emocional. E assim, podemos ficar livres para julgar, tendo a consciência que eles são elementos que compõem o momento presente. 

Compartilhe

Sobre o Autor
Maria Eduarda D. de Alencastro
Maria Eduarda D. de Alencastro
CRP 07/21833 Psicóloga graduada pela PUC-RS, especialista em Terapia Sistêmica e em Terapias Comportamentais Contextuais pelo CEFI, tendo realizado formação complementar em Terapia Comportamental Dialética (DBT). Participou de treinamento intensivo em Terapias Contextuais realizado no CIPCO em Córdoba, Argentina. É membro da equipe de DBT do CEFI Contextus e coordena grupo de Treinamento de ... ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *