Prioridades… por onde começar?

Quando eu estava pensando sobre o que eu gostaria de falar essa semana, me veio à cabeça um dilema que eu tenho enfrentado mais atualmente: como dar conta de várias atividades ao mesmo tempo? A escrita desse texto foi uma dessas atividades, era uma tarefa que eu precisava fazer, ao mesmo tempo também tinha que terminar de preparar uma apresentação para hoje, terminar outros documentos que estamos preparando em equipe, atender e ahhhhhhh… Como lidar com isso? Umas das coisas...

Julguem-me!

Hoje, enquanto escrevo esse texto, reconheço que estou há 60 dias em casa em decorrência do isolamento social. Assim como vocês, já passei por muitas fases. Uma semana antes de estourar a pandemia no Brasil, estava em São Paulo e lembro que ríamos do exagero de alguns paulistanos de máscara no shopping e os funcionários do supermercado passando álcool nos carrinhos. O vírus ainda parecia algo muito distante (ao menos para mim).  Uma semana depois, lembro de uma pessoa querida...

Vamos tentar manter a rotina… MAS CALMA!

Hoje eu quis falar sobre um tema bastante discutido nesse momento, não é diretamente sobre o CODIV-19, mas sobre algumas consequências que podemos sentir pelas medidas de isolamento nesse momento. Desde março deste ano, o Ministério da Saúde adotou medidas de isolamento para realizar a contenção do COVID-19. A partir daí, nosso dia a dia mudou drasticamente. Alguns seguiram trabalhando externamente por opção, outros passaram para modalidade home office, outros não tiveram a possibilidade de realizar seu trabalho de forma...

Calma, você não está “enlouquecendo”

Talvez você nem queira ler este meu texto, pois já está saturado de informações que lhe bombardeiam todos os dias de todos os lados. Mas eu quero só te passar uma mensagem: CALMA (dentro do possível). Você não está “enlouquecendo”!! A verdade é que estamos frente a uma grande crise que afeta diversos setores da nossa vida. Um vírus – que é invisível – ameaça nossa saúde (e torço para que não, a vida). Nosso sistema de saúde, está correndo...

Ai, que vergonha!

Você já sentiu vergonha? Consegue perceber como esta emoção interfere na sua vida? Consegue reconhecer algumas situações que foram ou são gatilhos para desencadear essa emoção?  Existem algumas expressões que são mais comuns quando a vergonha aparece, como ficar com o rosto ruborizado, desviar o olhar ou esconder o rosto. Mas cada pessoa tem suas próprias sensações internas ao experimentar a vergonha. Você consegue identificar o que sente no seu corpo, o que passa na sua mente e como seu...

Lidando com a imprevisibilidade

Até ontem eu já tinha decidido sobre o que eu gostaria de escrever no blog dessa semana. Já tinha estruturado o texto na minha cabeça e só faltava colocar no papel. Mas aí a vida aconteceu. Para ser mais descritiva, quando digo a vida, me refiro àquela qualidade tão excitante e ao mesmo tempo tão assustadora que ela tem… a imprevisibilidade. Um parente querido que morre, o diagnóstico de uma doença grave, a perda de algo importante, etc. Felizmente não...

O que fazer quando a vontade de “não fazer nada” domina você? 

  Vocês já experimentaram a vontade de “não fazer nada”, mesmo tendo uma grande lista de tarefas para fazer? Quem nunca né? Pensando nesta situação que muitas pessoas experimentam, vou descrever como a Terapia Comportamental Dialética (DBT), pode nos ajudar.  A DBT apresenta a definição de dois tipos de mente que podemos ligar com essa situação: a Mente do Ser e a Mente do Fazer. A Mente do Ser é voltada para o momento presente, aproveitando o que está acontecendo...

Tratamento da DBT, como funciona?

Neste vídeo você vai encontrar uma breve explicação a respeito da Terapia Comportamental Dialética (DBT) e seus modos de tratamento: Terapia Individual Coaching Telefônico Grupo de Treinamento de Habilidades Supervisão de Equipe  

Pequenas Pausas

Semana passada dei uma oficina de Mindfulness para profissionais da saúde e nessa oficina conversávamos sobre a correria que nós sentimos no dia a dia, sobre a percepção de sempre termos demandas para dar conta e essa sensação de que precisamos estar produzindo algo em todos os momentos em que estamos acordados. Não sei vocês, mas eu normalmente me noto cansada e ansiosa quando me sinto experimentando essa sensação a maior parte do tempo. Então, dentro desse assunto, falamos sobre...

Mindfulness, para quê?

Nos últimos anos, a onda do mindfulness, ou atenção plena,  cresceu bastante em nosso país. Livros de autoajuda, aplicativos de meditação, matérias em jornais, vídeos, blogs e revistas, fazem o mindfulness ser cada vez mais popular e conhecido. É ótimo que algo que tem potencial de fazer bem às pessoas possa se espalhar com facilidade, mas como tudo na vida, o “boom” do mindfulness tem também seus riscos, especialmente quando se deposita nele a expectativa de ser o caminho da...