Padrão de Comunicação: como se entra numa armadilha?

Todos nós temos um determinado padrão de comportamentos como estratégias para resolver conflitos e solucionar problemas. No que se refere às relações conjugais, elas são mantidas e conduzidas pelos padrões de interações comportamentais. Porém, por vezes, eles podem se tornar problemáticos. E mais, é comum os casais utilizarem estratégias ineficazes, repetidas vezes, para tentar resolver os velhos conflitos. Resultado? Pode piorar a situação…

Por exemplo, na tentativa de resolver um problema, é provável que um parceiro se dirija ao outro criticando, culpando, exigindo, atacando… Ou que se afaste ao se fechar, ter segredos, desqualificar o que o outro diz, negar os fatos. Pode, ainda, grudar no parceiro perseguindo-o, invadindo sua privacidade, monitorando… E, ainda mais, pode ir contra o parceiro ao se associar com outras pessoas, na tentativa de ter ajuda externa, ao contar as questões privadas do casal para amigos, familiares, favorecendo com que intervenham na relação…

Estes comportamentos são tentativas de aliviar a dor, a ansiedade ou outros sentimentos, mas será que, efetivamente, solucionam os conflitos conjugais?

A Terapia Comportamental Integrativa de Casal (Integrative Behavioral Couple Therapy – IBCT, Jacobson, Christensen & Doss) reforça que estes comportamentos podem piorar qualquer conflito, mesmo que seja uma tentativa ou um esforço para lidar com as dificuldades, pois são comportamentos que só causam mais problemas. Porém, estas maneiras se repetem porque tendem a ser reforçadas, pois há algum benefício em curto prazo. Mover-se contra o outro com acusação, culpa e coerção pode liberar sentimentos de raiva ou forçar uma solução temporária; afastando-se do outro com evitação, negação e distanciamento pode fornecer refúgio temporário do problema; voltando-se para o outro com vigilância, intrusão e violação pode dar tranquilidade temporária; indo contra o outro com ajuda externa por meio de alianças e coalizões com outras pessoas pode fornecer alívio das tensões e algum apoio imediato.

No entanto, longe de resolver o problema inicial, essas estratégias são, muitas vezes, ‘curas tóxicas’, as quais ao longo do tempo levam a círculos viciosos. Esses padrões ou ciclos de interação podem piorar o conflito, polarizar e distanciar, e eventualmente levar a pessoa a questionar a continuidade do relacionamento. As soluções que, inicialmente, foram utilizadas para ‘resolver’ o conflito criam problemas reativos que podem abalar mais ainda a própria relação.

Sendo assim, uma pequena dificuldade conjugal pode se transformar em algo intransponível… E, se o casal não estiver atento, as armadilhas continuarão pegando suas presas…

 

Christensen, A. Doss, B. Jacobson, N. (2014). Reconciliable differences: Rebuild your relationship by rediscovering you love – without losing yourself. New Yor: The Guilford Press. Second Edition.

Compartilhe

Sobre o Autor
Mara Lins
Mara Lins
CRP 07/05966 Psicóloga. Mestre em Psicologia. Especialista em Terapia de Casal e Família. Treinamento intensivo em Terapias Contextuais realizado no CIPCO em Córdoba/Argentina. Realizando doutorado em Psicologia Clínica sobre Terapia Comportamental Integrativa de Casal (Integrative Behavioral Couple Therapy-IBCT) na Universidade UNISINOS - Brasil. Professora e Supervisora de cursos de pós-gr... ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *